Primeiro devo agradecer ao meu amigo Balochini o convite a oportunidade de escrever a vocês do Total Idade.

A música, organizar os sons, seja com um instrumento ou a voz é natural do ser humano.
Não necessariamente, deve ser feita com instrumentos musicais sofisticados.
Para construí-la alguns usam o corpo como Step Afrika e aqui no Brasil os Barbatuques.
Alguns usam o que tem a mão como Stomp; vassouras , lixeiras etc… e fazem sucesso, fazem musica.

Certos instrumentos exigem  todo corpo, psico-motricidade,  são os meus preferidos, alguns sets de bateria e percussão são grandes, tocá-los por um  longo tempo exige fitness, são como esporte.

Tocar pode ser solitário porém na maioria das vezes é algo sociabilizante, une as pessoas de maneira democrática em busca de um objetivo artístico comum.
Bom é quando mistura todo mundo, não importa raça, religião, preferências, nível sócio-económico.

Diferente de outros contextos a musica permite infinitas possibilidades, idade por exemplo não faz diferença, veja o roqueiro Mick Jagger, nada melhor como diria Bob Dylan “May You Stay Forever Young”, que tocar.

Recomendo a todos aprender música.

Já tocar bem como meta para o sucesso é  70% de trabalho duro (aulas ,pratica ,ensaios ,pesquisa, estudo…) e 30% de talento, seja isto o que for.
Faz toda diferença na hora de aprender música ter um bom professor.
Este, além dos conteúdos tem o desafio de motivar o aluno, fazer o que for necessário para conduzí-lo a tocar.
Do ponto de vista mental e cognitivo, oferecer ao seu cérebro a possibilidade de renovação com a música, pode ser algo surpreendente.

Grande abraço

Flavio Pimenta