Ela tem um contrato milionário com a L´Oréal Paris e é símbolo de talento e beleza na terceira idade. Aos 71 anos, Hellen Mirren foi considerada a sexta mulher mais linda do mundo de acordo com um estudo científico realizado pelo Centre for Advanced Facial Cosmetic and Plastic Surgery (Centro de Cosmética Facial Avançada e Cirurgia Plástica).

O estudo se baseou na filosofia grega da proporção áurea e por meio de mapeamentos computadorizados descobriu as dez mulheres mais simétricas e com proporções ideias da face. O rosto de Helen é 89.93% proporcional.

A atriz levanta a bandeira do zero photoshop e fez fotos sem retoques para a marca de cosméticos. Em entrevista ao jornal “The Guardian”, já disse odiar a palavra “bonita” (ao ser perguntada se sentia assim) e aproveitou para comentar o envelhecimento. “Odeio essa palavra. Kate Moss é bonita, David Beckahm também. Jovens são bonitos. Mas a maioria de nós somos outra coisa, e eu gostaria que houvesse outra palavra para isso”, disse ela.

Em seguida, ela criticou muitas colegas que afirmam se sentirem melhores a medida que envelhecem. “Definitivamente, eu não estou melhor do que quando era mais nova. Mas a melhor coisa que acontece quando você envelhece é não ligar a mínima. Eu não estou tão bem e não me importo”.

A moda está ao seu favor

Uma dica para envelhecer bem é usar a moda a seu favor. “Depois de certa idade, o corpo muda. A questão é: você vai se aceitar ou não? Só quando nos aceitamos é que nosso charme aparece”, opina a consultora de imagem Cláudia Piantini. Para a profissional, a forma com que nos vestimos pode ajudar a ressaltar nossas características únicas.

Já a consultora de imagem Mariana Assad afirma é possível ser bonita independentemente da idade e que é preciso saber que a ‘boniteza’ dos 20 anos é muito diferente da dos 70 anos. “Eu vejo a beleza da terceira idade como a da mulher que se cuida, que faz um corte diferente no cabelo ou pinta as madeixas – nem que seja com tonalizante cinza ou branco”, fala. Além disso, não deixar de se maquiar e caprichar na roupa também são cuidados essenciais.

Para a especialista a proporção aurea não é essencial para caracterizar a beleza. “Ela é ótima para a publicidade, para questões comerciais. Mas quantas pessoas não são charmosas porque tem uma sobrancelha mais grossa que a outra, por exemplo?”, lembra. Para finalizar, ela explica que a beleza tem a ver com a forma com que você encara a vida: não beber, não fumar, praticar esportes e cuidar da pele. Tudo isso vai interferir na sua imagem.

Maquiagem depois dos 60

De acordo com Andrea Costa, gerente de Desenvolvimento de Fórmulas da Natura, a palavra regeneração não pode ser encarada da mesma forma que antes. Aos 60 anos, a mulher só consegue reduzir o tamanho dos poros ou suas manchinhas, ela não tem elasticidade e nem produz colágeno para reverter qualquer condição da pele. O importante nessa fase não é modificar as feições e sim perceber que a vida continua, se sentir bem sem descaracterizar a idade que se tem.

Lavoisier Souza, maquiador oficial da Eudora, concorda que manter a pele bem hidratada é o ponto chave para quem quer cuidar da aparência depois dos 60. Por isso, a escolha de itens emolientes é essencial. “Opte por produtos líquidos, que espalham mais fácil e não acumulam nas linhas de expressão”, aconselha.

A quantidade é outro cuidado importante: “quanto menos, melhor”, orienta. O uso do pó deve ser evitado, pois ele pode evidenciar as linhas de expressão. E não existem amarras. “Não tem idade para usar um batom vermelho! A maquiagem precisa ser usada como uma forma de mostrar a personalidade. Se na sua vida toda você teve um batom preferido, não é justo que quando você fique mais velha você precise abandoná-lo”, brinca. E se a mulher faz o tipo que, depois de certa idade, resolveu dar a si mesma outras liberdades, como usar o batom roxo ou marrom, se jogue!

Fonte: Gazeta do Povo