Outubro Rosa é uma campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Esta campanha acontece com mais intensidade no mês de outubro e tem como símbolo o laço cor de rosa.

O movimento começou a surgir em 1990 na primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, e desde então, promovida anualmente na cidade. Entretanto, somente em 1997 é que entidades das cidades de Yubae Lodi, também nos Estados Unidos, começaram a promover atividades voltadas ao diagnóstico e prevenção da doença, escolhendo o mês de outubro como epicentro das ações.

Hoje o Outubro rosa é realizado em vários lugares do mundo.

Mas muitos questionam a  eficácia da mamografia de rotina. Autoexame já não é mais recomendação para prevenção precoce

A iniciativa de promover a prevenção é inquestionável. A detecção precoce do câncer de mama aumenta as chances de cura da doença, que mata 12 mil mulheres por ano. O problema é que a maneira como a prevenção é propagandeada esconde dois fatores, segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer): a mamografia é um exame que tem riscos; e ela pode não reduzir mortalidade provocada pela doença, segundo um estudo realizado no Canadá por pesquisadores da Universidade de Toronto.

A Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda que a mamografia seja realizada anualmente a partir dos 40 anos. Mas o Ministério da Saúde, através do Inca, diz que esse exame deve ser feito a cada dois anos por mulheres acima de 50 anos, mesmo aquelas que não tenham sinal da doença. Demais métodos preventivos, assim como a própria mamografia em outras faixas etárias, “tiveram recomendação contrária”, segundo o Inca.

Segundo o Instituto, um dos riscos da mamografia anual antes dos 50 anos é a maior chance de o exame apresentar um falso-positivo levando, assim, a uma biópsia desnecessária. Há também o impacto psicológico desse diagnóstico errôneo. E há evidências do Instituto de Câncer da Holanda que mostram que a radiação do exame pode causar câncer – o risco é pequeno, mas existe. A melhor forma de diagnóstico precoce é reportando qualquer alteração nas mamas para o médico.

Autoexame já não é mais recomendado nos EUA

Autoexame já não é mais recomendado nos EUA

Outubro Rosa é uma campanha que faz parte do calendário do Inca, mas a entidade tem o foco de ampliar o nível de informação sobre a doença – incluindo os riscos e benefícios dos exames preventivos. “Para os gestores do Sistema Único de Saúde é importante que a campanha não fique em torno da realização da mamografia”, diz o Inca.

Nos EUA, que divulgaram novas recomendações em 2015, a orientação é que mulheres que tenham fator de risco comecem a fazer mamografias a partir dos 45 anos. A partir dos 55, o exame deve se repetir anualmente. O país não recomenda mais o autoexame das mamas.

Para a ginecologista e obstetra Melania Amorim, pós-doutora em tocoginecologia, “não se trata de escamotear o importante problema de saúde pública representado pelo câncer, mas de modificar as estratégias adotadas visando à redução de sua incidência e mortalidade”.

Em artigo sobre o tema, ela diz que é preciso estimular a prevenção primária através da alimentação adequada e estilo de vida.  “Além disso, deve-se incentivar o aleitamento materno, que não apenas reduz o risco de câncer de mama para a mulher que amamenta, mas também para as filhas dessas mulheres, uma vez que ter sido amamentada reduz o risco de ter câncer de mama na pré-menopausa”, escreveu.

O Instituto Nacional do Câncer tem um documento com as mudanças de estilo de vida recomendadas para a prevenção da doença: controle do peso corporal, prática de exercícios físicos e mudanças na alimentação (como o controle no consumo de sal e alimentos processados) e redução no consumo de bebidas alcoólicas estão entre elas.

 


Also published on Medium.