Veja as dicas do escritor George Orwell para produzir textos melhores e mais eficazes

George-Orwell-1984_2588198kVocê sabe quem foi George Orwell? Considerado um dos principais escritores de língua inglesa do século XX e autor de clássicos como A Revolução dos Bichos e 1984, Orwell era o pseudônimo de Eric Arthur Blair, jornalista, ensaísta, cronista e escritor inglês, nascido na Índia Britânica, em 1903.

Além da interessante visão política e social, George Orwell era um artista da linguagem, que usava seus artifícios para falar de assuntos áridos, como governos totalitários, opressão e liberdade.

Em 1946, o escritor lançou a obra Politics and the English Language, sem tradução para o português. O livro tratava de questões ligadas à linguagem e comunicação, e como as palavras são o fio condutor das ideias, levando-as do nosso cérebro até o público.

Por isso, a ideia de que a linguagem funciona somente como arte e entretenimento é bastante equivocada, já que sem ela um matemático jamais será capaz de expor suas teorias e um físico nunca conseguirá explicar ao mundo as suas últimas descobertas.

Para aprender a escrever melhor e se destacar em qualquer área que desejar atuar, veja 4 dicas de George Orwell para melhorar sua escrita:

 

1 – Evite figuras de linguagem e ditados populares

Quando usamos um recurso linguístico como um ditado popular ou figura de linguagem amplamente conhecidos, nosso texto pode perder o caráter criativo e ficar pouco original. Tente criar seus próprios recursos, comparações e recursos linguísticos.

 

2 – Simples pode ser melhor

Palavras compridas e complicadas não farão de você um escritor melhor ou mais inteligente. Na verdade, elas podem criar um efeito contrário, dificultando o entendimento do texto e causando problemas na entrega da sua mensagem. Quando puder optar por palavras mais simples e objetivas, faça isso!

 

3 – Se puder, encurte

Boa literatura é feita de linguagem simples, carregada de significado. Por isso, qualquer palavra que não colaborar para esse efeito deverá ser removida do texto. Menos é sempre mais neste caso.

 

4 – Nunca use a voz passiva se puder usar a ativa

Não se preocupe! Muitas pessoas cometem este erro ao escrever um texto e, em alguns casos, sequer conhecem a diferença entre as duas estruturas. Para exemplificar, veja as duas frases abaixo:

 

a) O homem foi mordido pelo cachorro (voz passiva);

b) O cachorro mordeu o homem (voz ativa);

 

Por ser mais direta e objetiva, a voz ativa deve ser sempre a primeira escolha do escritor.

Fonte: Universia Brasil