Recalculando Rotas: trajetórias para o amor contemporâneo é um projeto audiovisual, que traz uma reflexão ora divertida, ora mais densa; ora pragmática, ora poética, sobre as diversas possibilidades (ou impossibilidades) de se vivenciar o “amor romântico” atualmente.

Por meio de entrevistas que discutem os grandes temas do amor contemporâneo, permeadas por narrativas amorosas verídicas, ele emociona, provoca e incita ao questionamento e ao autoconhecimento através do discurso fílmico. Por fim, os expectadores vivenciam um verdadeiro processo de catarse, compreendendo seus desejos, angústias e limitações e, em meio a isso, as várias trajetórias disponíveis aos relacionamentos amorosos do sujeito pós-moderno.
ARGUMENTO

Após os anos 1960s, com as revoluções estudantis e feministas, a mulher alcançou um espaço social antes inexistente, o que gerou mudanças estruturais na sociedade Ocidental, dentre elas, a forma de se relacionar amorosamente. Diante da suposta igualdade entre homens e mulheres, os relacionamentos perderam o seu script e essa falta de um roteiro pré-definido acabou por ocasionar um constante sentimento de incompreensão e insatisfação no âmbito das relações amorosas.

Cansados de fazer e ouvir os mesmos questionamentos a respeito dos relacionamentos amorosos, os idealizadores desse projeto decidiram conversar com pessoas de diferentes idades, estilos, gêneros e convicções a fim de entender: o que é o amor contemporâneo e quais são suas possíveis trajetórias.

Dessa forma, o projeto representa um estudo comportamental do amor romântico brasileiro na pós-modernidade, trazendo à tona não apenas o Zeitgeist dos relacionamentos amorosos, como também instrumentos que ajudam os espectadores a se autocompreenderem, reinventarem seus padrões e retratarem as rotas de seus corações.